18
Jul

O DESAFIO NÃO É AUMENTAR A PRODUTIVIDADE AGRÍCOLA, MAS FORTALECER A RESILIÊNCIA DA NOSSA PRODUÇÃO DE ALIMENTOS

De início gostaria de deixar um questionamento para reflexão!

Com as mudanças climáticas globais e diminuição dos recursos naturais, como podemos continuar aumentando a quantidade de alimentos de maneira que não prejudique a geração atual e as futuras?

A resposta é clara! Este é o lugar onde entra a Agroecologia!

A agroecologia é a base da agricultura sustentável, pois alia ciência com a prática da aplicação de conceitos ecológicos, princípios e conhecimentos para a concepção e gestão de áreas agrícolas sustentáveis. Assim, fornece-se um amplo conjunto de soluções para os danos ambientais e econômicas enfrentados pela agricultura atual predominante, baseada na monocultura.

Assim, gostaria de enfatizar que a agroecologia é o nosso melhor caminho a seguir para a alimentação do mundo!

O atual sistema alimentar industrial torna-se cada vez mais dependente de agrotóxicos (venenos) que, consequentemente, de forma direta ou indireta, tem prejudicando a saúde humana e de animais. Além disso, degrada o solo, ameaça populações de animais e insetos polinizadores e poluem a água.

Ao realizar o processo de transição de sistemas convencionais para agroecológicos, podemos criar um sistema alimentar para sustentar esta e futuras gerações, pois a agricultura pautada em bases agroecológicas reconhece as dimensões da multifuncionalidade da agricultura, bem como conhecimentos e práticas locais, indígenas e valorização do conhecimento e experiências das comunidades locais.

Entendo que a agricultura não produz somente alimentos, empregos e bem-estar e geração de renda econômica, mas também cria benefícios culturais, sociais e ambientais. A agroecologia também protege e fornece serviços dos ecossistemas, como a polinização, o controle natural de pragas (equilíbrio biológico), nutrientes para o sistema solo e ciclagem de água e controle de erosão.

Como pode-se observar, citei apenas alguns de vários benéficos que a agroecologia proporciona ao meio ambiente e à sociedade! A seguir, citarei outros benefícios, quais sejam:

Aumenta a resiliência ecológica: nas condições de mudanças climáticas;

Melhora a saúde e nutrição: através da diversidade de alimentos nutritivos e frescos que são produzidos sem a utilização de insumos químicos;

Conservação da biodiversidade e dos recursos naturais: como a matéria orgânica do solo, água, diversidade de cultivos agrícolas e a preservação e manutenção dos inimigos naturais das pragas;

Melhora a estabilidade econômica com mais diversificadas fontes de renda: reduz a vulnerabilidade às oscilações dos preços dos alimentos;

Mitiga os efeitos das alterações climáticas: através da redução da dependência e insumos agrícolas.

Nesse contexto, a Agroecologia reconhece o valor da pesquisa científica e da inovação tecnológica avançada. Além disso, valoriza o diálogo e a colaboração entre pesquisadores, agricultores, comunidades indígenas e outras populações tradicionais.

Mas como alimentar a população Mundial baseando-se na Agroecologia?

A agricultura em bases agroecológicas é uma das nossas melhores esperanças para alimentar uma população faminta, especialmente sob condições de crescente pressão social, ambiental e econômica.

Então, realizaram uma Avaliação Internacional envolvendo mais de 400 cientistas e especialistas oriundos de 80 países durante cinco anos, onde concluíram que as práticas agroecológicas são as melhores opções para sustentar a população mundial.

Segundo o Relator Especial das Nações Unidas sobre o Direito à Alimentação, Olivier de Schutter, os sistemas alimentares do mundo devem ser radicalmente e democraticamente redesenhados para garantir uma população alimentada e saudável.

Para isto, precisamos realizar uma democratização de alimentos. A Agroecologia é capaz de promover esse grande processo de transformação.

Fonte: http://www.panna.org/agroecology-farming-solutions/agroecology-resilient-productive

Site de acesso: PAN – Pesticide Action Network