12
Jul

ESTUDOS SOBRE IMPACTOS SÃO FUNDAMENTAIS PARA A AMPLIAÇÃO DA AGROECOLOGIA.

Para medir o impacto da agroecologia, é necessário determinar os objetivos da avaliação em conjunto com os agricultores e a escolher os indicadores com base nos objetivos. Por exemplo, se você quer provar que a agricultura de base agroecológica tem alcançado mais equidade para os camponeses, então precisa pensar em atributos da dimensão social da agroecologia, ajudando a escolher os indicadores mais adequados para tal.

No caso da equidade, pode-se optar por indicadores, como: o nível de capacitação, organização, auto-determinação, a participação, auto-consumo dos seus produtos, acesso a mercados, entre outros.

Uma vez escolhidos os indicadores, pode-se determinar como medir esses indicadores. Para esse processo, tem que considerar o público envolvido. Ou seja famílias, comunidades outerritórios inteiros.

É importante medir os impactos da agroecologia, a fim de demonstrar a sua capacidade de produzir alimentos suficientes para atender às necessidades alimentares e nutricionais das famílias, sem prejudicar o ambiente, e também contribuir para a redução das emissões de gases de efeito estufa.

Também é importante que a sociedade como um todo seja informada sobre os impactos positivos da agroecologia e da necessidade de defender políticas públicas que apóiem ​​os agricultores que adotam princípios da agroecologia, bem como os direitos dos consumidores para terem acesso a produtos isentos de aditivos químicos.

Para os cientistas, é importante saber se os resultados das pesquisas desenvolvidas e as iniciativas agroecológicas no campo estão realmente contribuindo para a sustentabilidade, se os princípios da ciência agroecológica estão sendo aplicadas na prática.

Infelizmente, grande parte dos trabalhos realizados na academia permanece trancada e abarrotando prateleiras, em dissertações, teses e artigos científicos que ninguém mais lê. Muitas vezes a distância é muito grande entre o potencial e o real impacto do trabalho dos pesquisadores.

A única arma que temos é mostrar que as obras agroecológicas não podem deixar tudo para sonhos utópicos e discursos. Agroecologia é um bem público, mas para ter um impacto, a investigação tem de ser relevante e emergir de um processo participativo, onde as verdadeiras necessidades e as aspirações dos camponeses estejam bem representadas.

Esse artigo foi escrito com base na leitura da entrevista de Clara Nicholls, presidente da Sociedade Científica Latino-Americano de Agroecologia (SOCLA).

Fontehttp://www.agriculturesnetwork.org/magazines/global/making-the-case-for-agroecology/interview-201cimpact-studies-are-crucial-for-the-amplification-of-agroecology201c

Site: AgriCultures – Diana Quiroz