18
Jul

BANCOS DE SEMENTES E A EXPERIMENTAÇÃO ESTÃO LEVANDO OS AGRICULTORES DA NICARÁGUA MELHORAREM A SOBERANIA ALIMENTAR E A DIMINUIÇÃO DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

Na América Central, especificamente em Nicarágua, existe um projeto muito interessante com bancos de sementes que ajudam as comunidades agrícolas a garantirem a segurança alimentar, com alimentos de qualidade. Este projeto foi criado para que os agricultores não permanecessem dependente da importação de sementes geneticamente modificadas, ou mesmo híbridos e cultivares convencionais.

Existe uma parceria desse projeto com cooperativas locais, que reúne mais de 2.300 pessoas ligadas à agricultora familiar, que produzem café naquela região. Pensando na qualidade e na soberania alimentar, os agricultores criaram bancos comunitários de sementes, principalmente de milho e feijão, que tem sido a principal base das trocas de sementes.

Nesse caso, os bancos de sementes comunitários são desenvolvidos na grande maioria pelas mulheres. Portanto, a mulher tem um papel fundamental no campo, pois encara as sementes com extinto maternal, com a visão de perpetuar a espécie, tendo as sementes como um recurso para a sobrevivência da família.

Já o papel das cooperativas, é melhorar a produção de sementes para os bancos comunitários e buscar melhorias para elevar o nível dessas sementes. Algumas cooperativas vem realizando experimentações com diferentes variedades de sementes, afim de encontrar aquelas que são mais resistentes às mudanças climáticas, à seca, inundações e outras condições adversas. Esse processo é fundamental para garantir a disponibilidade de alimentos durante um período de crise.

Atualmente, os frutos dessa ideia vêm sendo colhidos, sendo que muitos agricultores já fazem a sua própria experimentação com sementes e culturas diversificadas. Alguns agricultores conseguiram produzir diversas variedades de milho e feijão adaptadas à sua microrregião.

O interessante é que esses agricultores, além de não utilizarem sementes geneticamente modificadas, as variedades resultantes da experimentação são adaptadas ao clima da região, e isso vai gerar menor gasto com insumos, menor impacto ambiental e maior produção.

Outro ponto importante é que esses bancos de sementes desempenham papel fundamental no intercâmbio de diferentes sementes e diferentes variedades entre as cooperativas, possibilitando que outros agricultores possam fazer a sua própria experimentação com mais variedades em diferentes microrregiões, na busca de variedades mais resistentes para cada lugar. Em alguns casos, isso levou à recuperação de variedades de sementes que haviam sido perdidas em determinados municípios, e que estão agora sendo cultivadas novamente.

A agricultura familiar vem enfrentando desafios relacionados às mudanças climáticas, impactos do mercado e influências que ameaçam a sua segurança alimentar e soberania. Esta situação levou as comissões de banco de sementes e cooperativas na Nicarágua a buscarem razões e mecanismos para consolidar a sua existência e aprofundar a busca de soluções. As trocas de conhecimentos estão em processo e a experimentação levou muitos agricultores recuperarem a esperança no futuro.

Fonte:http://canunite.org/seedbanks-farmer-led-experimentation-the-search-for-solutions/